21 de novembro de 2016

No coração de Lisboa...


...há um jardim que não visitava há mais de 10 anos. Vale a pena conhecer ou rever, está de cara e alma renovada. Por incrível que pareça passa despercebido entre duas vias muito movimentadas. Alguém o reconhece?



13 de novembro de 2016

MAAT (Museu de Arte Arquitectura e Tecnologia)

A minha curiosidade era mais que muita, para ver de perto a nova silhueta na margem do Tejo, que nasceu ao lado do museu da electricidade. Era Domingo de sol, pelo que a juntar à minha curiosidade estava também, a de mais umas centenas de pessoas, que se deleitaram com a vista de um belíssimo por-do-sol à beira rio. 
Só um senão, a exposição didáctica para crianças no museu de electricidade que era sempre grátis, deixou de o ser. Tenho pena, pois o meu filho adora aquela exposição, e apesar de já lá ter ido mais de uma dezena de vezes, continua a pedir para lá voltar. Fomos com ele, mesmo passando das 19 horas (quase na hora de fecho), porque uma vez lá não o quisemos ver a chorar. Mas não me pareceu justo.

10 de novembro de 2016

Mundo

Não sou uma pessoa de política. Não é que não me interesse, vou acompanhando, mantenho uma mente aberta, mas na verdade fartei-me de ser decepcionada. Ainda assim, depois de decidir não escrever sobre o resultado das eleições que todos comentam, volto atrás na decisão. 
Começo por dizer que não estou assim tão surpreendida. Tinha esperança de estar enganada, mas nas ultimas semanas sentia que já estava a ver aquele filme pela segunda vez. Há 16 anos atrás, também parecia impossível o Al Gore, perder perante a notória falta de bom senso do outro candidato. 
As pessoas que votam hoje, são quase as mesmas que votaram há uns anos atrás. E vendo bem, a campanha psicológica do medo, intensificou-se. A par disso, a guerra, a miséria, a escassez e a crise económica, cresceram também. Com informação e desinformação, o medo infiltrou-se insidiosamente, ao ponto de condicionar o nosso dia-a-dia, e atentar contra a liberdade geral. Convenceu mais pessoas, açambarcou mais almas. E, todos os restantes motivos para originar decisões destas, a intolerância, o egoísmo, a homofobia, e por aí fora, são consequências directas desse mesmo monstro (o medo) que cresceu de forma descomunal.

5 de novembro de 2016

Bolo de amoras...

ou de framboesa, ou outra fruta qualquer...



Ingredientes ( o que eu fiz)

125 g de manteiga (100 g de manteiga)
125 g de açúcar (100 g de açúcar)
3 ovos
3 c.(sp) de leite (1 iogurte)
150 g de farinha de trigo 
80 g de abóbora cristalizada (100 g de batata doce assada)
Açúcar em pó para polvilhar

Preparação:

4 de novembro de 2016

Outono e bolos

Por mais que goste do sol,  de andar de pés ao léu, e roupa leve, quando, em modo veranil, me cruzo com o cheiro das castanhas assadas, sinto que algo não esta no lugar certo.  
E Novembro acentuou tudo isso, o sol, a indecisão do trajar, as castanhas, e a estranheza da mudança subtil.
A chuva, mesmo que seja uma pequena amostra do que está para vir, não me desanima, também o recolhimento é necessário. Pôr os filmes em dia, os jantares com amigos, e regressar ás receitas apuradas ricas em sabor, e tão reconfortantes.
Num dia pardo e fresco, de verdadeiro Outono, pouco mais é preciso, para que o calor feliz do aconchego se instale. Uma musica ao nosso gosto, chá quente e aromático, e claro, o cheiro que se espalha pela casa toda, de um bolo no forno feito em conjunto com minha criatura pequena.

3 de novembro de 2016

Diálogos


Pai: Filho, está na hora de fazer a ficha de leitura, a professora disse que era para ler todos os dias.
Ele (chateado porque estava a ver pokémons): Já fiz a leitura com a mãe hoje de manhã.
Eu (confusa): Fizeste? Realmente pensei nisso, mas não me lembro se chegámos a fazer.
Ele (convicto): Fiz hoje de manhã, tu esqueceste-te mãe. Tu és assim na tua cabeça, uma esquecedora. Mas eu já fiz…
Pai (duvidando): O caderno estava exactamente como o deixei ontem à noite, tens a certeza?
Ele (com cara quase séria): Sim, pai, eu vi como estava, e pus no mesmo sítio!
Pai: Estava dentro ou fora da capa?