25 de setembro de 2015

Assar lentamente

Quem me conhece bem, sabe que gosto muito de comer. Se pudesse passaria a vida a degustar comida de restaurante em restaurante. Pelos motivo óbvios, não dá. Em alternativa cozinho. 
Quando estou verdadeiramente inspirada, faço experiências. Tento recriar sabores ou pratos que gosto, ou que acho que vou gostar. Na maioria das vezes corre bem. 
Mas nisto da culinária, o meu maior defeito é ser impaciente, não tenho paciência para os pormenores de fazer "bonitinho". 
Sei que os olhos também comem, e gosto de ver um prato bonito, mas eu, concentro-me no sabor descurando um pouco a aparência. Quando escolho uma receita, das variantes que vou encontrando, escolho-a pelos ingredientes e pela simplicidade de confecção. Gosto de cozinhar sem stress, e sem medidas milimétricas. Sou incapaz de me cingir ás instruções e por isso para cada receita, crio sempre a minha versão. 

23 de setembro de 2015

Matizes de Outono

Todos os anos é a mesma coisa, o Outono chega sem se dar por ele.
E apesar de significar que o Verão acabou, que os dias ficam pequeninos, que as noites quentes na cama de rede da varanda estão no fim, que temos mesmo de pôr de lado a roupa fresca e as sandálias (o meu calçado favorito), isso não me deprime, porque é uma estação de que gosto muito. 
Adoro a palete de cores com que se veste a natureza. Gosto de voltar ao chá com bolos caseiros, de fazer compotas que deixam no ar um cheiro a fruta e caramelo. De me enroscar numa mantinha para ler um livro, ou a ver as minhas séries favoritas, (que também voltam no Outono). Tudo isto, sem os remorsos de estar a perder um fantástico dia de sol. 

21 de setembro de 2015

Não deixar Setembro sem...

...ir ao MEO OutJazz.

Este é um passeio que me prometo de Maio a Setembro. Mas depois, aparece sempre algo que me vai desviando desta intenção. Finalmente, e quase só no fim da época, a coisa deu-se. Este mês a acontecer no Jardim da Tapada das Necessidades na Ajuda, o MEO Outjazz, é na minha opinião uma iniciativa gira para todos. Jardins e espaços verdes de Lisboa só por si já bastante aprazíveis, com boa música, criam um ambiente cool e descontraído, que apetece estar. Ora, se a isso juntarmos amigos e/ou família, só pode correr bem.
Aconselho a levarem uma manta (ou outra coisa qualquer), um lanche (opcional, que há sempre comida por perto), boa disposição (obrigatório), e um fim de tarde bem passado é garantido.
Aproveitem para ir, que está quase a acabar!

20 de setembro de 2015

Quem dois gostos quer ter...

... Um deles (ou ambos) há-de perder.

Tantas vezes que a minha mãe nos respondia com este (seu?) provérbio. 
Não serviu de nada. 

14 de setembro de 2015

Almoços rápidos

Morar perto do local de trabalho (que é o meu caso), para além do tempo poupado diariamente, traz outra vantagem, a de poder almoçar em casa a ouvir musica, a ver as noticias (ou outra coisa qualquer), sempre que me apetece. 
Sim, sei que para alguns, esta ideia de comer restos do jantar, ou cozinhar à pressa na hora de almoço, é uma grande chatice (ás vezes é), mas não tem que ser, se formos criativos. Podemos reinventar os restos, conjugando-os de maneira diferente, ou podemos ousar criar pratos novos, a partir do que temos no frigorífico.
Claro que, isto de "inventar", nem sempre corre da melhor maneira, pois tem tudo a ver com a inspiração que se consegue a partir do que existe em casa. Hoje, decidi partilhar, porque a coisa correu bem, resultando num almoço leve, ainda a cheirar a Verão, saboroso e nutritivo. Fica aqui o resultado.

13 de setembro de 2015

Domingo

Os dias para serem bons, não precisam de ser espectaculares.
Acordar tarde numa manhã de domingo, ser recebida na cozinha com um abraço apertado e beijos lambuzados do meu filho, comer waffles acabados de fazer, acompanhados com uma grande caneca de café, foi o inicio (perfeito) de um dia que me recorda muitas coisas, entre elas, que o Outono está quase aí. 

11 de setembro de 2015

Tertúlia fotográfica

Na quarta feira, fui com a Ju a uma tertúlia fotográfica organizada pela IMAGO
Enfrentei a A5, desta vez em hora de ponta (ai que nervos!!!), e lá fui eu ter com ela cheia de entusiasmo!
Não sabia bem o que esperar, pois esqueci-me de perguntar qual o tema, mas se era um profissional, a falar de fotografia, garantidamente eu estava interessada!
O fotógrafo convidado, Nuno Monteiro, foi muito claro na exposição que fez, desmistificando um pouco a utilização de flash. E digo desmistificar, porque até o ouvir falar, a única regra que eu tinha era... não usar. 
Quanto à Ju, que não resiste a uma oportunidade para fotografar, desafiou-me para uns nocturnos. Eu que raramente fotografo de noite, disse logo que sim, e foi muito divertido.
Nota-se no resultado final, que me falta a experiência (não tenho coragem de andar por aí sozinha de noite, com a máquina e o tripé ás costas), mas teria sido muito pior se ela não me tivesse dado, generosamente, algumas dicas muito boas.
Gostei muito, temos que repetir!

E já agora, se gostam tanto de fotografia como eu, espreitem as da Ju, são uma inspiração.

Seixal

8 de setembro de 2015

Gritar ou respirar

Regressar ao Ginásio após um mês de ausência, foi uma verdadeira prova de resistência.
As duas aulas que habitualmente faço pareceram-me os 10 trabalhos de Hércules. Cada musica que surgia, trazia mais um suspiro e mais uma olhadela para o relógio, que parecia nem se mexer. Na Zumba a professora pedia-nos para gritar com a música, e juro, só me apetecia revirar os olhos, que para mim era gritar ou respirar... respirei. 

6 de setembro de 2015

Da gula ... e outras coisas boas.

"Temos saudades vossas, liga para combinarmos um jantar, um destes dias..."
Esta é a frase que vamos dizendo aos amigos que adoramos, por telefone, ou nas raras ocasiões em que se cruzam connosco entre compromissos e tarefas inadiáveis.
O tempo é curto para o tanto que queremos fazer, passa uma semana, um mês, vários meses. Parece que tudo se atravessa para gorar as intenções. As agendas riem-se em surdina como que a gozar o facto dos dias livres nunca coincidirem, de tal forma que ás tantas já parece praga rogada.
E de repente acontece! Melhor que isso, acontece duas vezes no mesmo fim de semana. De forma que eu, desconfiada das coincidências felizes, fico com receio que surja um imprevisto rancoroso, vindo do gerador de pragas aleatórias, que o universo parece gostar de usar na minha direcção.

2 de setembro de 2015

O momento é agora

Para mim, após quase vinte anos de vida de estudante, Setembro, é sinónimo de início, no meu calendário interno. 
Numa impressão tantas vezes repetida, este é-me um calendário muito mais orgânico que o Gregoriano.
As tão esperadas férias, acabaram, ficando (como sempre), aquela sensação de anti-clímax. 
Nesta altura, o meu lado mais emocional e inquieto, insinua-se com pensamentos de desapontamento. 
"Devia ter feito mais, aproveitado mais, passeado mais..." 
O outro, o racional, afirma que as férias são para descansar, dormir e recuperar energia. Feito!
O saldo é positivo. Sol, calor, praia, família, amigos, comida boa, paisagens de lavar a alma.  
Para o ano há mais. Até lá, aproveitemos o sol que resta, nos dias que ficam mais curtos, em todos os momentos possíveis.